DestaquePolítica

Teotônio: o ‘opositor’ de última hora que pode ser o ‘plano B’ de Toscano

0

A Oposição de Guarabira parece não ter se convencido da astúcia política de Zenóbio Toscano, que impôs a ela uma considerável derrota, em 2016, depois de aparentar liquidado na disputa de sua reeleição.

Abandonado por sete dos nove vereadores que se elegeram ao seu lado quatro anos antes, entre eles, o presidente da Câmara, o tucano, que ainda viu correr de sua chapa o vice-prefeito Zé do Empenho, deu a volta por cima, vencendo com diferença ainda maior do que a de seu retorno à prefeitura, em 2012, e, de quebra, foi decisivo na chegada à Câmara Municipal dos sete vereadores de seu bloco, seis deles estreantes.

Embora afastado devido à saúde debilitada, mas articulando da gestão à política através da esposa ex-prefeita e da filha deputada, Zenóbio pode estar preparando uma nova surpresa para seus adversários, que consiste num plano com dois nomes de seu campo político concorrendo à sua sucessão.

Prefeito interino, Marcus Diogo caminha para ser batizado publicamente o candidato principal do clã Toscano. Internamente, já recebeu a unção, comunicada por Léa Toscano, de ordem do esposo, aos seus seguidores e ocupantes de cargos na gestão.

Em movimento paralelo, surge o advogado Antônio Teotônio, eleitor de carteirinha dos Toscano, desde sua mocidade, há quase 40 anos, quando votou pela primeira vez.

Depois dessa longa convivência e de estar, nos últimos sete anos, participando da administração tocada por Zenóbio, Teotônio se apresenta como “opositor” e faz incursão entre os oposicionistas, provocando baixas no grupo do PSB, com a dissidência aberta pelo vereador Marcelo Bandeira, e no MDB, atraindo Zé do Empenho e seu filho, o vereador Michel.

Para espanto do meio político, ainda que dono de imensurável patrimônio, que não faz questão de esconder, para a alegria dos vulneráveis de plantão, o pré-candidato ‘dissidente’ do Zenobismo só não reduziu seu histórico plantel político. Claramente, seus apoios são quadros dos quais a Oposição já dispunha.

Outro fato que reforça a hipótese de a candidatura de Teotônio poder ser um forma de distrair a Oposição e polarizar a disputa pela prefeitura entre dois zenobistas, é o silêncio dos Toscano em relação às críticas ‘do ex-aliado’.

Com Marcus Diogo e Teotônio, que também ‘eram’ amigos e aliados de décadas, concorrendo ao cargo de prefeito, os Toscano podem estar mais sossegados do que nunca, pois ambos nasceram os dentes dentro do esquema liderando por Zenóbio desde 1982.

COMENTÁRIOS